26 de agosto de 2007

Morirse es una deuda y un atajo



El Juicio de Paris. Pietrus Paulus Rubens (1639).


El juicio de Paris. Jean Antoine Watteau.





MORIRSE ES UNA DEUDA Y UN ATAJO.


Siempre quise morir en una cama
y que la muerte llegara dulcemente,
a cerrarme los ojos, las creencias,
el amor que le tuve al mundo entero,
brindando su respuesta sigilosa.

Nunca urdí algún temor por la existencia
ulterior, sucesiva;
descorriéndole el velo ante el azogue,
la corteza fue hundida en la metáfora
del ingrávido tiempo del portento.
Rebotan en los fondos las sinapsis
descaminadas, etéreas.
Las maniobras sin bridas ni coraje,
cavan tumbas, declives, proscripciones,
descuidados murmullos en la tierra,
y sin embargo,
la huella está que arde:
desnuda sus noctámbulos deseos.
Redundancia de vestales que niegan,
de varón huidizo que atosiga
o desmaya.

En medio de la Luz está la Sombra
y viceversa:
El factor de los órdenes no altera su producto:
lo multiplica y reduce en palabras,
en picos como pinzas o floretes,
en cenizas de viento, en terremotos.
La fama era una odiosa letanía
contemplada de lejos, se movía
y el espectáculo al fin me socavaba
-sin nada que guardar-
de un parco golpe cruel tras breve ensayo.

Eso quise y soñé,
más tarde o más temprano,
ser música de Paris, su reducto,
llevarme la mirada deslumbrante
de un pez en alta mar, una espesura
de un cuadro de Watteau por los pasillos
en la ralea de un monte de Ares encelado,
-sin nada que decir pues no hace falta-.

Vivir es demasiado extrañamiento.
Morirse es una deuda y un atajo.

14 comentarios:

Anónimo dijo...

Estás colgada!!!, totalmente loca!.

Premio consuelo para Lucía Folino dijo...

anónimo: aunque no lo creas, aprecio tus desbordados comentarios.

Te mando un beso enorme y seguimos en contacto.

¡Hasta la victoria siempre!


Comandante General del Mundo y Papisa (ya me ascendieron de nuevo)


del Iglesia Luciangélica.

Lu.

Anónimo dijo...

LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA! LOCA!

Andy dijo...

Yo he estado boquiabierto en el prado frente a ese cuadro, pensando en las Metamorfosis de Ovidio, en las miles de millones de manzanas de las discordias e intentando discernir qué es lo que sigue.

Las malas lenguas dicen que Afrodita hizo el primer strip tease de la historia, y por eso Orlando Bloo..., digo Paris la eligió a ella.

Eso no me lo creo del todo... porque en realidad Afrodita le prometió que le iba a presentar a la mina mas bonita del mundo.

Eso no es un soborno, sino mas bien un acto de justicia divina.

HLVS

gabrielaa. dijo...

me gusta Papisa, como título. ya era hora.

Vill Gates dijo...

Me parece que el Sr. Anónimo es un COBARDE.

Lucía, que paciencia que tenés, yo lo hubiera borrado. No es sensura es sentido estético, nada más.

Tu blog es fantástico. Seguí escribiendo así.
Un beso.

Isabel Chiara dijo...

No sé qué pensar, qué desperdicio de tiempo ¿habrá utilizado el cut©?

Coincido con Gabriela, y con Andy, y con vill.

Camus dijo que si los griegos han tocado la desesperación ha sido siempre a través de la belleza y de lo que ésta tiene de opresivo.

Un saludo reverencial.

Damocles dijo...

Que fácil es cubrirse con el rostro del anonimato. Cuanta cobardía y sobre todo cuanto tiempo libre tiene el "señor/ra" anónimo.
Tengo que reconocer Lucía que tienes templanza. Animo, no dejes que cafres como estos te desanimen.

El detective amaestrado dijo...

Me parece que alguna vez has entrado en mi blog y has generado algo de confusion. No sé si es debido a que me confundes con alguien o a qué, pero no me resulta del todo agradable. Por favor, me gustaría que tus asuntos los arreglaras en tu espacio, y no en el mío.
Un saludo

Premio consuelo para Lucía Folino dijo...

Apreciados amigos: gracias a todos por los dulces comentarios que dejan en este humilde sito.

gates: todo el mundo tiene derecho a publicar sus ideas por la prensa sin censura previa. Tal cantidad de locuras de anónimo no hacen sino exponerlo a una situación de ridículo. Carece de argumentos e insulta. Tìpico de mentes que no han reflexionado sobre la importancia de poder transmitir una idea a través de la palabra. Entiendo que con el esfuerzo que estamos realizando parezcan palos en la rueda del crecimiento. No lo son. Por cada uno que escribe para informarle al mundo que estamos locos por tener utopías, hay cien que leen en silencio y aprueban o desaprueban. Pero el pensamiento circula y cada día somos más en la misma frecuencia.

http://equidistancias.blogspot.com es el sitio del amigo vill.

andy: tu cultura es abrumadora y tus comentarios tan inteligentes como tu blog.

Vuelvo a recomendar (enfáticamente) la lectura de
http://murmullosdescuidados.blogspot.com



sigo.

Premio consuelo para Lucía Folino dijo...

Isabel: de pequeña eras una niña tímida, ahora sos

http://mujeresenguerra.blogspot.com/


Gracias mil.



detective amaestrado:
Hubiera jurado que eras Andy, con obsesiones por Coleridge y Puig.

Un gusto leerte.

http://eldetectiveamaestrado.blogspot.com/

Anónimo dijo...

ups, yo era el anónimo del otro día pero no éste, espero se haya notado.
Sigo sin leer Stephen King, aunque curtí el género con Poe y Lovecraft. Un saludo, no todos los anónimos son tarados, y no todos los que se identifican con un nick son de confiar.

Premio consuelo para Lucía Folino dijo...

No te preocupes anónimo.

Podés poner un nombre al pie (preferimos el real, pero queda en vos soltar amarras o seguir atado al prejuicio y la cobardía). Quizás solamente te falte tiempo para hacerte cargo y asumir el compromiso de lo que escribís.

Igual un gusto recibirte.

Lu

Premio consuelo para Lucía Folino dijo...

Soy una admiradora de Poe, también.

Lovecraft y sus historias fantásticas me seduce menos.


Lu